17 de fevereiro de 2016

Especiação através do isolamento geográfico


O processo de formação de uma nova espécie biológica se chama especiação. E um dos processos de especiação conhecida é o isolamento geográfico.
Para que ocorra uma especiação no isolamento geográfico, a mesma espécie deverá encontrar-se separada por algum tipo de barreira física, por exemplo: rios, montanhas, vales, etc. Estas barreiras isolarão as populações para que não haja trocas genéticas, impedindo que elas mantenham contato entre si. Após certo tempo, ao se cruzarem novamente, ambas estarão estéreas, surgindo duas novas espécies.
Darwin apresenta em seu livro, ideias de esterilidade em espécies através do seu isolamento geográfico. Como se observa na frase retirada do seu livro.

 “Em primeiro lugar, pode notar-se que espécies que habitam regiões diversas ficam estéreis quando se cruzam” (Darwin, C. 2010. Pág. 208)

“Mas, como vimos, os seres organizados no estado de natureza, habituados durante muito tempo a certas condições uniformes, tendem a tornar-se mais ou menos estéreis quando são submetidos a uma mudança considerável destas condições, como, por exemplo, se são reduzidos a cativeiro; sabemos, além disso, que cruzamentos entre machos e fêmeas muito afastados, isto é, especificamente diferentes, produzem geralmente híbridos mais ou menos estéreis. Estou convencido que este duplo paralelismo não é nem acidental nem ilusório”. (Darwin, C. 2010. Pág. 212)
Segundo Fábio Sene a esterilidade através do isolamento pode ser analisada do seguinte modo:


 “as populações vivem em áreas diferentes (geograficamente) são alopátricas, ou seja, não ocorrem contatos entre os indivíduos de uma área com os da outra, o que impede que machos de uma população tenham contato com fêmeas da outra.”  (Sene, F. M.1981. Pág. 109)


O pensamento de Darwin é contemporâneo com as aceitas atualmente. Mas ao usar esta teoria e aplicar a espécie humana, o resultado não seria o mesmo, pelo menos a um período “curto” de anos.
Quando os portugueses chegaram ao Brasil, os nativos já se encontravam isolados a milhares de anos. Estudos recentes concluem que os homens chegaram às Américas em especial aonde se encontra o Brasil há mais de 22 mil anos.
Ferramentas de pedra usadas para caçar, foram encontradas na Serra da Capivara no Piauí, estes objetos foram datados de 22 mil anos.
Por milhares de anos os nativos não tiveram contatos com os europeus ou asiáticos, pois estavam separados pelo Atlântico (isolamento geográfico), e sem nenhum contato. Entretanto estes não se tornaram espécies diferentes ou estéreas. E quando estes dois povos se copularão, tiveram descendentes férteis, diferente do que descreveu Darwin.
        Neste texto não se discute a veracidade dos fatos através do isolamento geográfico para o surgimento de novas espécies e muito menos sua esterilidade. Apenas conclui-se que para surgir novas espécies ou esterilidade, o tempo será maior que 20 mil anos.    

Nenhum comentário:

Postar um comentário